Arraial do Cabo, rio de janeiro, PPasseio de barco - Fenda Nossa Sra

[Crônica] Nunca me deixe com fome, principalmente em Arraial do Cabo

Depois de alguns minutos de mal-humor, finalmente consigo embarcar. Mas quase não consegui.

Quem me conhece, sabe que meu humor é proporcional à minha fome. Imagina: acordei às 6h da manhã, me arrumei, coloquei na mochila a máquina fotográfica, celular, chapéu, protetor solar, óculos escuros e canga. O café da manhã do hostel só seria servido à partir das 8h, então tomaríamos o café da manhã pelo caminho. Às 6h40 saímos.

Em dias normais, o percurso demoraria 15 minutos, no máximo 20. Só que só fui conseguir chegar na porta da empresa, às 7h30…

Arraial do Cabo é uma vila de pescadores bem pequena, que dá para fazer praticamente tudo a pé. Por recomendação da empresa de barcos e também porque sou adapta de fazer o máximo que puder para ser sustentável – já que em algum momento isso não será possível – decidimos ir caminhando do hostel à Praia dos Anjos.

Saímos do albergue e viramos à esquerda e à esquerda de novo.

— Você quer comer algo aqui ou prefere mais para frente? — Rodrigo perguntou.

Olhei no relógio e respondi:

— É melhor comermos pelo caminho. Deve ter alguma padaria com cheiro de pão quentinho saindo…

E então começou o tormento! De um lado, duas pessoas perdidas na pequena Arraial. Do outro meu estômago roncando de fome.

Caminhamos, caminhamos e caminhamos mais um pouco…

Nada de chegar.

— Rodrigo, tenho certeza que estamos no caminho errado. — disse olhando de rabo de olho para ele não ver meu olhar de fuzilamento.

— Nao estamos… é só continuar por aqui que também vai dar lá. — Rodrigo disse com aquele sotaque carioca de malandro.

Eu sou ótima em me localizar em cidades desconhecidas, porque tenho uma memória fotográfica muito boa e um senso de direção que qualquer homem ficaria com inveja. Sabia que estávamos na direção errada.

Para não estragar o dia, não disse nada e continuei caminhando… caminhando… caminhando… Enquanto isso, as lombrigas do meu estômago reclamando… reclamando… reclamando…

Parei no meio da rua e disse:

— Eu tô falando que estamos na direção errada! — devo ter acordando os moradores da região com a altura da minha voz. Não tenho certeza. Mas tenho certeza que a Ana e a Fabiana (as lombrigas que ficam na minha barriga e que sempre dão o ar da graça) gritaram junto comigo.

Peguei o celular para ver no mapa, mas ele estava sem bateria porque esqueci o carregador no Rio. Pedi pro Rodrigo olhar no dele e ele – com aquele jeito malandro – disse que confiava em seu instinto.

Louca que sou, principalmente quando sinto fome, entrei numa ruela e disse para ele olhar a p**** do celular! Ele o fez, e confirmou todas as minhas suspeitas: estávamos na direção contrária!

O relógio já marcava 7h.

O mesmo horário combinado para estar na porta da empresa.

Meu humor de menina legal, que topa tudo e não se estressa com pouca coisa, mudou completamente e entrou no lugar a Rayane mal-humorada, que fecha a cara e que responde secamente.

Rodrigo, que não é bobo nem nada, chega de mansinho. O carioca malandro, que sabe das coisas, cujo o instinto nunca erra, tornou-se o Rodrigo carinhoso e que faria tudo o que eu quisesse.

— Tem uma padaria ali, você quer comer? — Rodrigo perguntou com a voz mais mansa de todas.

— Se a gente parar agora, vamos perder o passeio! São 7h15. Vim à Arraial à toa! — disse fuzilando-o com o olhar.

Ele não disse mais nada. Apertei o passo e o deixei para trás.

Cheguei na porta da empresa e descobri que outras pessoas também estavam atrasadas. Respirei fundo! Não gosto de fazer parte da turma das “pessoas atrasadas”. Olhei para o Rodrigo e o fuzilei mais um pouco com o olhar. Ele sorriu e disse:

— Chegamos à tempo.

Apertei meus lábios, olhei para ele, pensei em falar um monte de palavrão e disse:

— O café-da-manhã é por sua conta! Quero uma coxinha de frango e um refrigerante. — virei para o lado e saí “bufando”!


Arraial do Cabo, rio de janeiro, Prainhas do Pontal do Atalaia

Olha que vista linda que a gente tem das Prainhas do Pontal do Atalaia no passeio de barco?! | Az.Wanderlust

Enfim, o passeio de barco em Arraial do Cabo

Só fui conversar com ele algumas horas mais tarde, embora tivesse guardado o riso enquanto ele insistia em chamar minha atenção e ser carinhoso.

F-O-M-E! Nunca me deixe com fome! Sou um amor, mas se estiver com fome, mudo completamente. Aí, para piorar a situação, estava com fome e “perdida”. Nunca me leve para o caminho errado quando eu tenho certeza de qual é o certo. (Viu?)

Fora isso, o passeio foi incrível! Nem preciso ficar horas e horas aqui digitando vários parágrafos para te convencer de arrumar a mala e partir.

A Praia do Farol é surreal de linda, as Prainhas do Pontal do Atalaia são tão transparentes, que dá pra ver se alguém tá fazendo xixi nelas.

E as tartarugas que cruzam nosso caminho? Não sei quantas foram vistas, mas sei que me deu vontade de levar pra casa.

A única coisa que me arrependo é que não conseguir visitar a Praia do Forno. A ideia era ficar por lá quando o barco atracasse e voltar pela trilha até a Praia dos Anjos. Mas como ela não está mais incluída no roteiro do barco, não consegui e não dava mais pra mudar a programação porque tínhamos que voltar pro Rio logo depois do passeio.

Antes a gente tivesse ficado por lá! Pegamos um engarrafamento na volta e ficamos 12h na estrada.

Para mais informações sobre Arraial do Cabo, clique aqui! Para saber sobre os outros locais, clique aqui, aqui, aqui e aqui!

Curtam mais um pouco deste paraíso…


Arraial do Cabo, rio de janeiro, PPasseio de barco - Praia do Farol

Essa é da Praia do Farol… quando fomos embora. De partir o coração! | Az.Wanderlust

Arraial do Cabo, rio de janeiro, PPasseio de barco - Praia do Farol

Mais Praia do Farol vista de longe… | Az.Wanderlust

 

Arraial do Cabo, rio de janeiro

Quem controla tudo por lá… | Az.Wanderlust

 


Lindo, né?