Sim, vou sozinha! Viajo solo e nem por isso sou solitária. Pelo contrário, viajar sozinha abre horizontes e quebra barreiras. Na volta, trago na bagagem muito aprendizado e muitas histórias. Ah, e faço vários amigos pelo caminho.

Eu, Rayane do AzWanderlust e a Mariana do blog Mariana Viaja lançamos o jogo de perguntas e respostas Vai viajar sozinha? para inspirar mais mulheres a desfilar pelo mundo!

Todo mundo sabe que ”mulher não vai sozinha ao banheiro”, por isso desafio a Kari do blog KariDesbrava a fazer o que toda mulher gosta: contar para as amigas (e para os amigos também) como foi!


Vai viajar sozinha?

1. Quando e onde foi sua primeira vez (de viagem solo, viu? rs)?

Minha primeira viagem sozinha foi em 2005 para Floripa. Desembarquei na ilha da magia um dia depois do meu aniversário de 20 anos e fiquei por lá 2 anos. Transferi a faculdade e contei com uma super ajuda da irmã de uma amiga que morava lá. Depois, um namorado da época foi morar comigo, mas durou só 1 ano. No ano seguinte viajei por Santa Catarina às vezes sozinha, às vezes com os amigos que fiz e tomei gosto por ficar só.

2. Por que você foi sozinha: era uma vontade ou foi necessidade?

 

Ambos! Quando adolescente, tinha uma enorme vontade de morar sozinha. Já na faculdade, senti necessidade de mudar de cidade e encontrei em Floripa o lugar ideal para viver essa experiência. Desde então, sinto uma enorme necessidade de viajar sozinha, pelo menos uma vez por ano, nem que seja para a cidade vizinha.

Esquiar no Chile Pucon

3. Você costuma planejar ou é daquelas que arruma a mala e vai?

Se a viagem é longa ou para um país com um idioma diferente, sempre planejo! Adoro a fase de planejamento e acho que a viagem começa quando navegamos virtualmente pelo destino. Procuro os lugares que quero conhecer, os meios de chegar até lá e tento descobrir os lugares poucos visitados.

Mas também sou daquelas que arruma a mala e vai! De repente, amanheço em uma cidade diferente só com a mochila nas costas pronta para explorar. O desconhecido também me fascina!

4. Já passou algum perrengue desesperador por estar sozinha? E como deu a volta por cima?

Já! Vários… acredito que os perrengues façam parte da viagem e servem como aprendizados. Um dos perrengues desesperadores que passei por estar sozinha aconteceu na Eurotrip de 2015, quando viajei pela Europa para comemorar meus 30 anos. Escrevi um livro sobre a viagem, chama-se Trintando pela Europa (publicação em breve!).

Estava em Berlim e resolvi fazer uma day trip para Dresden. A ideia era passar o dia lá e voltar à Berlim à noite. Na época, o único jeito de fazer isso era de ônibus. A ida foi tranquila, mas a volta…

Comprei a passagem de ida na estação de ônibus de Berlim e deixei para comprar a volta direto com o motorista do ônibus, como havia me informado que podia. Porém, na volta, o motorista não aceitou que eu pagasse para ele e não consegui embarcar. Tinha que voltar para Berlim naquela noite, pois no dia seguinte pegaria o trem para a Polônia e minha mala estava no hostel.

Na estação de Dresden, não havia guichê para comprar a passagem e a única alternativa era pela internet. Entrei no site, mas só tinha bilhete disponível para o dia seguinte ou então para um ônibus que sairia do outro lado da cidade e eu não conseguiria chegar a tempo. Sentei no meio fio e chorei!

Já havia passado vários perrengues na mesma viagem e todos eles na Alemanha. Não conseguir pegar o ônibus e ter de dormir na estação de novo foi a gota d’água. Entrei aos prantos e o desespero tomou conta do meu corpo. Chorei igual criança quando pegam seu brinquedo! Queria sair do país o mais rápido possível e, se não me engano, xinguei os alemães com todos os palavrões que conheço em português, inglês e – se bobear – até em alemão.

Quando menos esperava, um anjo da guarda alemão apareceu. Ele ligou para a empresa de ônibus e reversou, para o próximo horário, uma passagem para Berlim em meu nome. Esperou que eu embarcasse e salvou minha viagem! Não trocamos contato e as únicas lembranças que tenho dele são os cabelos loiros e seu nome: Chris.

5. Costuma ficar em albergue ou hotel? E prefere mala ou mochila?

Quando viajo sozinha sempre fico em albergue. A socialização entre os viajantes é incrível e nunca permaneço muito tempo sozinha.

Levo mala (bagagem de mão) se tenho certeza que não será muito perrengue arrastá-la pelas ruas. Mas se tenho certeza que será complicado ou quando a viagem é curta, sempre levo mochila.

6. O que deu muito errado? E o que deu muito certo?

Não me recordo o que deu muito errado. Como disse, os perrengues fazem parte da viagem. O que deu muito certo são os amigos que fiz pelo caminho. Uns que foram companheiros de um dia e outros que tenho até hoje.

7.  Já pegou carona ou se hospedou na casa de algum desconhecido?

Já peguei carona aqui no Brasil (que minha mãe não leia! rs), em outros países da América do Sul e na Europa. Não tenho problemas em pegar carona.

Sozinha, ainda não me hospedei na casa de algum desconhecido. Antes morria de medo de acontecer algo, mas estou trabalhando nesse medo e pretendo mudar o cenário em breve!

8. Você acha que viajar sozinha é perigoso?

Acho que qualquer lugar é perigoso, até na rua de casa. Então, temos de ser cautelosas. Por exemplo, se vejo que  a movimentação na rua diminuiu a noite, não fico perambulando sozinha. Nunca viajo com coisas muito valiosas e espalho o dinheiro. Deixo uma parte na carteira, um pouco nos bolsos do casaco e às vezes nos calçados. Se confio no albergue, deixo uma reserva no locker.

9. Tem filho, namorado, marido, cachorro, papagaio? Como conciliar isso com as viagens solo?

Tinha uma cachorrinha que ficava com os meus pais quando viajava, mas ela faleceu ano passado. 🙁 Ainda não tenho filhos, mas acredito que quando os tiver, levarei comigo ou deixarei com os avós para saciar essa necessidade de pelo menos uma vez por ano viajar sozinha.

Sobre namorados / maridos, quando há confiança e o relacionamento é transparente, não vejo problemas em viajar sozinha. Sou super a favor de cada um ter sua individualidade e seus momentos solos, desde que não atrapalhe o relacionamento.

10. O que não pode faltar na sua bagagem?

Celular, iPad e máquina fotográfica. Posso viajar sem roupa, mas nunca sem os três. Não sou tão mulherzinha a ponto de me maquiar todos os dias, mas costumo levar um lápis de olho, rímel, blush e batom (que na maioria das vezes é protetor labial). Ah, também levo corretivo para as olheiras para disfarçar a cara de panda nos dias que acordo cansada!

BONUS: Inspire mais mulheres a viajarem sozinhas! Em três palavras, o que é viajar sozinha para você?

Liberdade. Auto-conhecimento. Prazer.


Vai viajar sozinha

Alguns dos amigos que fiz pelo caminho… <3 | AzWanderlust

Viu, viajar sozinha não é um bicho de sete cabeças! Ainda tem dúvidas? Que tal a primeira vez ser para fazer um curso em outra cidade? Pode ser de mergulho, surf, maquiagem, gastronomia ou idiomas. Assim, você se sentirá mais segura e pronta para desfilar pelo mundo! Vai lá e arrasa! Ah, e volta aqui para contar como foi!


Talvez você também goste de:


Este post te ajudou? Dá um Pin nesta imagem e salve no seu Pinterest para ler quando quiser!

Vai viajar sozinha